terça-feira, 14 de abril de 2015

PACIÊNCIA DE MÃE, TEM LIMITES?

Oi meninas...

Aqui estou eu para quase um desabafo parte II

O título diz tudo...
Enquanto escrevo, aprecio um chá de camomila.
Eu nunca fui um exemplo de calma e tranquilidade, sempre fui nervosa, agitada, briguenta, do tipo que primeiro estoura, e depois analisa porque. Quando engravidei pedi a Deus que me desse muita paciência para cuidar da minha filha, e também pedi que ela fosse um bebê calmo, que puxasse a personalidade do pai, uma paz. Mas sei lá, acho que Deus ao invés de me dar paciência, me deu a oportunidade de adquiri-la, como uma virtude, pois me deu uma filha com a mesma personalidade que a minha. A Bia é nervosa, agitada, e tem um choro enlouquecedor, ainda não conheci nenhum bebê que chore, alto, forte e desesperado como ela.
Surpreendentemente, desde que ela nasceu eu tenho me controlado muito, passando por cada situação difícil sem perder a calma, sem desesperar(aparentemente). Muitas vezes minha sogra veio aqui, viu ela fazendo aquele escândalo para tomar banho, e eu calmamente terminava tudo sem perder a cabeça. Meu marido, minha mãe, todos elogiando a paciência que eu nunca tive instalando em meu ser.
Mas...as duas últimas noites cheguei ao meu limite, de antes de ontem para ontem Bia deu show a noite, não queria dormir, eu dava o peito, colocava para arrotar, ela dormia profundamente em meu braço, e quando eu colocava no berço acordava e começava a chorar novamente, passei horas balançando ela pela casa, colocando e tirando o peito da boca, colocando para arrotar, colocando e tirando do berço.
 De repente, me vi desesperada, cansada, stressada, e quando dei por mim, estava brigando com ela, e dando tapinhas no bumbum e sacudindo com mais força, quando percebi o que estava fazendo, pedi ajuda, chamei meu marido, entreguei a Bia e me deitei, e simplesmente me desliguei, mas desliguei de verdade, não vi mais nada, não ouvi mais nada, simplesmente adormeci, e isso já era 5 da manhã.
No outro dia o marido me contou que a pegou, deitou com ela no sofá e logo ambos adormeceram. Aí eu me pergunto, o que tinha de errado com o meu colo e o meu ninar?
Acordei com aquela crise de consciência, perdi a paciência, me senti como se tivesse a agredido, sei que não foi, mas para mim era como se tivesse acontecido, chorei demais, me entristeci, me abati. Fiquei pensando, como um filho testa o nosso limite, e quando vc pensa que chegou ao topo, que não tem mais o que fazer, vc olha pro lado, e não vê ninguém, não vê opção, não tem para quem entregar, não tem para onde ir, o filho é seu, vc que tem que se virar, e aí...vc respira fundo e adquire mais limites para ele testar.
Durante o dia me desdobrei entre os cuidados com ela e os cuidados da casa, não descansei daquela noite difícil, e aí a Bia resolve me testar novamente.
As 3 da manhã e lá estávamos nós no mesmo dilema do dia anterior, com o agravante que eu estava ainda mais cansada. Sem saber o que fazer, deixava ela no berço, ela chorava, pegava, ela se calava, voltava para o berço e mais choro, deixei chorar por alguns minutos, colocava a chupeta, ela se calava por alguns minutos, cuspia a chupeta e recomeçava o choro. Ficamos ali, por muito tempo, até que perdi a paciência outra vez, a retirei do berço brigando, e de forma mais brusca...pensei comigo, outra vez? Que péssima mãe que sou, que não tenho paciência com a minha filha, que não sei cuidar, não sei acalentar. Quando meu marido acordou e a pegou, sentei desconcertada na cadeira de balanço e chorei, chorei muito.
Estes dois episódios me consumiram, e para piorar, quando fui trocá-la ontem percebi um caroço na virilha, e já entrei em desespero pensando no pior (já fui no pediatra, e descobrimos que é uma hérnia, mas falarei em outro post, pois ainda vamos procurar um cirurgião pediatra, ai conto o desfecho).
E falando do pediatra, claro que cheguei lá depois de tudo isso, cheia de dúvidas, cheia de desespero, com taquicardia, descabelada e com olheiras. Fui recebida com um bombardeio. Eu sou a nervosa, a stressada, a ansiosa e passei isso para minha filha, o médico começou a ouvir meus relatos das dúvidas e disse: " Vc só tem reclamação a fazer? Não tem como devolver a sua filha. Tudo o que vc me relatou é normal, toda criança sente, vc queria um anjo que dorme 24 horas? Que não dá trabalho? Vai dar trabalho sim, e só vai piorar, e vai ser pro resto da vida. Quem está precisando de tratamento aqui é vc."
Na hora pensei, eu sei que a errada sou eu, mas vou fazer o que? Me dá logo um calmante. E não tive coragem de falar.
Tá bom que ele só queria ajudar. Talvez quisesse usar a técnica do tratamento de choque para me trazer para a realidade.
O problema é que eu não me sentia fora da realidade, na verdade me sinto muito dentro dela, como se fosse o olho do furacão, mesmo sabendo que não sou a única a passar por isso, eu não posso simplesmente me consolar, só pq a experiência de outras pessoas são difíceis também e algumas vezes até piores que a minha. Eu só posso saber da dor que eu sinto, do meu cansaço, do meu desespero, e ninguém pode entender como eu me sinto. Eu tenho tentado fazer o melhor, tenho me doado, tenho dado todo o amor que tenho. E estou desgastada não só pelas noites mal dormidas, mas pelas vezes que ela chora e eu não sei o que é, não consigo consolar, pelas vezes que ela se engasga com a quantidade de leite, e eu me desespero, quando vejo uma mancha, um caroço, ou qualquer coisa que eu não sei se é normal, pelas milhares de vezes que ela faz barulhos enquanto dorme, e eu me levanto feito uma doida da cama, e corro para o berço para ver o que é, e na maioria das vezes me deparo com ela dormindo, das vezes que estou comendo, e ela murmura e largo o prato correndo para ver, e muitas vezes esqueço de voltar de onde parei e perco a refeição, e por muitas outras coisas que se eu fosse relatar, escreveria um livro.
É difícil sim! Me deixa chorar, me deixa desabafar, me deixa desesperar, porque depois eu vou respirar, vou pegar minha filha no colo, ela vai me olhar, e iremos sorrir uma para a outra, e tudo vai passar.
Estou cansada de ouvir que essa fase difícil vai passar com 3 meses, aí fico contando no calendário para ver se falta muito, queria que chegasse logo o fim de todos esses incômodos. Mas... me pego com os olhos lacrimejando, quando percebo o quanto já passou, e eu queria mesmo era que o tempo voltasse, ou que fosse mais devagar, só para eu ficar mais aqui com ela. Que dilema!
Ah! E sabe aquela sensação de culpa, ela não passou com as boas palavras do pediatra, ela só aumentou. Dá para imaginar como cheguei em casa, neh?!
Amamentei a Bia, a segurei no colo por horas, e assim que a fiz dormir, fiz um chá e resolvi contar tudo no blog, pois falar alivia dores emocionais.

Obs: No meio do post, tive que parar pq ela acordou, amamentar mais uma vez, e terminar de tomar o chá já frio.

Acredito já me sentir até melhor!

Bjus***

11 comentários:

Rê Silva disse...

Thalita, eu imagino o que vc está passando, ainda irei passar por está fase, mas não fique se martirizando, dizem que quando nasce um filho é que nasce uma mãe, então é normal nosso desespero, falta de paciência, afinal de contas estamos aprendendo tbm...pense que vai passar, é uma período apenas, mas vai passar e vc já é uma ótima mãe, acredite!

bjus pra vcs

Lyanna Souza disse...

Thalita não existe mãe perfeita! É perfeitamente normal perder a paciência esporadicamente com os filhos! Vc e a sua princesinha ainda estão se adaptando a vida dela fora da tua barriga. Ao contrário do que o pediatra falou a tendência é melhorar. Já, já vc e sua princesinha estarão mais adaptadas a essa nova fase da vida de vcs e tudo vai ficar mais tranquilo. Beijos!

katia silva disse...

Thalita sou iguazinha a você!! e sei que terei dias bons e não tão bons com o bebê.... e horas de choro, desespero e também de risaddas e muito carinho!!! Sempre me falam, desde já, que o jeito é manter a calma e não se culpar por tudo, pois nós mamães não somos perfeitas em tudo, as vezes erramos e vamos errar em tentar fazer o certo... mas seremos as melhores mães que nossos filhos poderiam ter... sei que é dificil manter a calma tem horas... mas logo essa fase de adaptação vai passar....e tudo vai ficar mais tranquilo e você vai aproveitar ao máximo de sua pequena!! Bjss...

http://agoraseremostres.blogspot.com.br/

Rita disse...

Oi, Thalita! OlOlha, já vou te avisando que meu comentário vai ser grande ;)

Pra começar, toca aqui, colega! Estamos no mesmo barco! Posso te dizer com toda a certeza do mundo: não vai passar em 3 meses! To nesse barco há mais de 10 meses. E pode ser que na verdade tudo isso só vai piorar. Mas calma! Calma! E calma! Eu acho que o seu pediatra até tem uma certa razão, filho é trabalho pra vida toda, mas ele foi um TOSCO te falando desse jeito, e te tratando dessa maneira. Com respostas assim ele só está te atrapalhando mais ainda, e não ajudando. Talvez você esteja vivendo um baby blues, e isso é muito comum.

Tem um livro muito bom que na minha opinião é leitura obrigatória pra toda mamãe ou futura mamãe: Maternidade e o Encontro com a Própria Sombra, da Laura Gutman. Recomendo que você leia! Nele a autora fala muito da fusão entre a mãe e o bebê, de como o bebê sente o que a mãe sente e isso afeta demais esses dois seres tão intimamente fundidos. Eé assim por muito tempo, durante os 2 primeiros anos da criança. To falando isso porque a sua filha estava nervosa e muito do choro dela foi por causa do seu nervosismo, do seu sentimento de culpa e tudo mais. Ela NÃO necessariamente é agitada e nervosa como você. É muito cedo pra dizer isso! Ela é só um bebê! E bebês choram, isso é completamente normal! Talvez você não tenha visto nunca um bebê tão agitado porque nunca antes você esteve 24 horas por dia, durante 7 dias por semana assim direto com um bebê antes :)

Mas a paciência de mãe tem limite sim! Ah se tem! Somos mães mas não somos robôs que não sentem cansaço e não tem direito de reclamar. Não somos perfeitas! Podemos sim, e devemos pedir ajuda. Aproveite que você tem seu marido contigo, sua mãe perto, sua sogra. Peça ajuda pra eles! Nenhum deles pode dar peito pra sua filha a noite, mas todos podem te ajudar a noite, coloca-la pra arrotar e dormir enquanto você descansa. Se você fica nervosa assim, peça ajuda antes de explodir.

Espero do fundo do meu coração ter te ajudado com as minhas palavras. Sinta-se abraçada! E tomara que você descanse e que peça ajuda. Sozinha é muito difícil!

Beijos, Rita :)

Rita disse...

Thalita, só mais uma coisinha: A Bia é muito novinha. Nessa fase os bebês gostam muito de dormir quentinho em contato com a nossa pele, ouvindo os barulhinhos do nosso corpo, como as batidas do coração. É porque a um tempinho atrás era assim que ela vivia, dentro da sua barriga. Por isso ela chora quando vai pro berço.

Nanda Gonçalves disse...

Amiga essa nossa vida de mãe não é mole não
logo logo vai está tudo certinho
e tudo é uma fase esse é o bom e vai passar
saudades de ti

Linda Noite!
beijokas da Nanda

Mamãe de Duas

Naity disse...

Querida, tenta não se culpar....é difícil mesmo. Te entendo perfeitamente! Minha bb só dorme com o pai. Comigo ela dá show....E foi sempre assim....eu sempre pensava: poxa, colo de mãe é pra acalmar e tal...Lá em casa não....Então, abstraí e deixo com ele sempre....E é um teste de paciência diário....é isso mesmo. Mas, é bom! Tenta respirar fundo e qd tiver no limite divide com seu marido mesmo....é o que eu faço. Qd o meu marido tá no limite eu vou e divido...Assim, vms aprendendo a amar e a ter paciência!!! =)

Nise disse...

Oiii
Mais uma vez falo que seu post vai ajudar e abrir os olhos de mtas gravidas....
Pq mtas acham que ter um bebezinho é só paz e tranquilidade e não é....mtas podem dizer nunca vou perder a paciencia ...mas isto a gente so sabe qdo vive a situação ...que é desgastante.
Vc é uma boa mãe...mas todas temos nossos limites e cuidar de um bebê nao é mesmo facil.
E olha mtas maes perdem a paciencia ...elas so nao contam que perderam e fazem o mundo delas parecer um paraíso rsrsrs

Deus te abençoe
bjo

Dani disse...

Ser mãe é mesmo padecer no paraíso...Tamo junta amiga!!
Muitas vezes tbm perdi a paciência com Alice, mesmo ela sendo mais tranquila que a Bia, mas eles mudam, Alice começou a dar show a noite, não consigo colocar ela pra dormir antes de meia noite, já cheguei a quase 2 da manhã, por 2 vezes me irritei e reclamei com ela, depois cai em mim e me perguntei se por acaso ela iria entender, claro que não, ela olhou pra mim e deu um chorão de desespero! E eu entendi, que o que ela precisa é do meu colo, por vezes durmo no sofá com ela sobre mim, e acordo as 3, 4 horas da manhã, toda quebrada...rs
Mas ai devemos lembrar que eles serão bebês só 1 vez na vida, e nunca mais esses dias irão voltar, temos é que aproveitar tudo, inclusive os ruins...rs Dê colo a ela, deixe ela dormir com vc, pode ter certeza que ela ficará mais tranquila.
Desabafar é preciso, desculpa o comentário gigante...rs
Bjsss

lilipimenta disse...

Tem um livro otimo para esclarecer de obde veem todas essas emocoes desenfreadas q ficam a flor da pele principalmente quando nos tornamos mae - maternidade, o encontro com a prppria sombra de Laura Gutman. Me ajudou muuuiittooooo!

lilipimenta disse...

Tem um livro otimo para esclarecer de obde veem todas essas emocoes desenfreadas q ficam a flor da pele principalmente quando nos tornamos mae - maternidade, o encontro com a prppria sombra de Laura Gutman. Me ajudou muuuiittooooo!

Postar um comentário

Você me deixa muito feliz com seu comentário! Bjus***